JÀ NO AR (Beta)

JÀ NO AR (Beta)
Clique e assista

quarta-feira, 19 de março de 2014

Preso médico suspeito de estupro na UPA em Iguaba Grande

 Preso médico suspeito de estuprar pacientes na UPA em Iguaba Grande
Foto: Divulgação/ Policia

O clínico geral José Carlos Alberto Martins, de 54 anos, foi preso na tarde desta terça-feira (18),  suspeito de estuprar pacientes dentro da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) em Iguaba Grande, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro.



A Vítima Vanessa da Costa Chaves, de 25 anos, contou que chegou com 60% do corpo queimado na unidade de saúde porque tinha passado 'chá de fura figo' para se bronzear. -    
''Eu estava sem forças, com quase todo o corpo queimado. Ele disse que ia me atender. E na sala de curativos tirou a minha roupa porque ele iria passar um óleo no meu corpo. Um guarda que estava com ele deu a sugestão de chamar uma enfermeira para ajudar, mas o médico negou a ajuda'', disse a Vítima que
estava quase desmaiando quando sentiu que Carlos Alberto Martins passava o óleo em partes íntimas, que não estavam queimadas, como a vagina, seios e nâdegas -  “não entendia nada porque não tinha queimado essas partes. Queria ajuda, mas estava muito fraca.
Depois de ser atendida, meu namorado chegou. Contei o que o médico tinha feito e chamamos a direção. A secretária de Saúde foi até a sala onde estávamos e pediu para eu esquecer o que tinha acontecido, abafar o caso'', desabafou. ''Eu me sinto desmoralizada, me sinto arrasada. Fui pedir socorro e um médico abusou de mim, passou a mão nas minhas partes íntimas. É revoltante'', finalizou Vanessa.

O médico é alvo ainda de outros dois inquéritos pelo mesmo crime, ocorridos no dia 5 de janeiro deste ano, também dentro da UPA. Duas jovens, de 23 e 25 anos, acusam o médico pelo mesmo crime. Durante as investigações, a delegada-titular da 129ª Delegacia Legal em Iguaba Grande, Janaína Peregrino, ouviu as vítimas, enfermeiras e atendentes da unidade. A delegada espera que com a divulgação da prisão do médico outras possíveis vítimas procurem a delegacia.

Nenhum comentário:

Portal Galdinosaqua